28 de março de 2009

Última Hora

Vai buscar!
Uma experiência extraordinária pôs a prova a capacidade dos cães em  perceber a comunicação humana. Primeiro, um Border Collie observou o dono a mostrar-lhe uma réplica miniatura de um brinquedo de corda. A seguir, foi ao quarto ao lado e trouxe um brinquedo exactamente igual em tamanho maior para o dono. Fantástico! 

"Go FETCH!!!! 

Dogs are lousy conversationalists and can’t write worth a lick. But don’t sell the family pooch short when it comes to grasping subtle references in human communication, a new study suggests. Border collies quickly realize that their owners want them to fetch a toy from another room when shown a full-size or miniature replica of the desired item and given a command to “bring it here,” say biological psychologist Juliane Kaminski of the Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology in Leipzig, Germany, and her colleagues. Even a photograph of a toy works with some dogs as a signal to fetch that toy from an unseen location, the researchers report in an upcoming issue ofDevelopmental Science. 

Three dogs already trained to fetch objects succeeded on both replica tasks right away. Two untrained dogs got the hang of replica requests after a bit of practice. “The most reasonable interpretation of dogs’ success in the replica tasks is that they understood that by showing a replica, a human was trying to communicate something to them,” Kaminski says. Dogs evolved a feel for how people communicate as a result of living in human settlements for thousands of years, she proposes. Earlier studies have found that chimps, dolphins and other nonhuman animals have great difficulty retrieving objects after being shown replicas of those objects, even after many trials. The new study shows that the border collies interpreted a fetch request as meaning that they should find a toy resembling that held by owners, remarks psychologist Alexandra Horowitz of Barnard College in New York City. It’s not clear that the dogs’ ability to see a replica of an object as a stand-in for that object in a fetching situation translates into a general capacity for knowing that some items can be used to represent others, Horowitz says. Among the five dogs studied by Kaminski’s group, one trained and one untrained animal regularly retrieved toys depicted in photographs displayed by their owners. The remaining dogs did poorly on this task. Dogs have little experience with photographs and may have difficulty treating a photograph of an object as a separate representation of that object, at least without training, Kaminski posits. Her team conducted experiments at each dog owner’s residence in Germany. A researcher put eight dog toys on the floor of a room and then joined the owner and the dog in an adjacent room. Next, the owner requested a particular toy by showing the dog one of three visual cues — an identical replica, a miniature replica or a photograph of the toy — and saying “bring it here.” Dogs searching for a toy in the adjacent room could not see their owners or the researchers. Over eight trials, trained dogs nearly always fetched toys that corresponded to identical and miniature replicas. One untrained dog successfully used miniature replicas to retrieve toys, but neither untrained dog did well with identical replicas right away. In a second round of trials with identical replicas, untrained dogs’ performance improved. In another experiment, the three trained dogs were shown a full-size photograph of a toy and selected from among four toys and full-size photographs of them mounted on small stands. Two dogs usually retrieved what they had seen, with one favoring corresponding toys and the other preferring corresponding photographs."

in: science news online edition

27 de março de 2009

Cócórócócó

Todos os dias o Miles  se deita, em cima da marquesa, de barriga para o ar e entre as injecções e  o penso  abana-se. 
Abana-se e  vai-se esticando a ver se apanha alguém e lá lhes dá mais umas lambidelas aqui e ali. Todos os dias é o mesmo sarilho. Não pára quieto! Hoje estava impossivél. Abanava-se e abanava-se.
Valeu-lhe o comentário :
"nunca vi um cão acabado de sair de uma cirurgia e mais feliz do que este " !
Acho que este foi o maior elogio da minha vida! 
Cócórócócó!!!

26 de março de 2009

Pica behaviour

Miles, as coisas que eu descubro !

Pica Behaviour in the Adult Dog 

A common problem in dogs is the ingestion of unnatural objects such as candy wrappers, toilet paper, or socks. Not only is this behavior a nuisance around the house, but the swallowing of non-food particles poses a serious threat to the health of the dog. The problem requires attention and treatment. 

The Causes of Pica Behavior Medical - There are many medical conditions such as dietary deficiencies and esophageal dysphagia which should first be ruled out through a veterinarian's examination. In the absence of any physiologic or pathologic causes, there are a number of behavioral reasons for pica. 

To Gain Attention - A dog can quickly learn that picking up a foreign object or a non-food item will gain the owner's attention. The attention provided by the owner can be rewarding and reinforced even though the reward is unintentional. Even if a scolding follows, this may act as a reward for a dog deprived of attention. 

Boredom- Boredom or lack of exercise for long periods of time without companionship can play a major role in a dog's interest in chewing on non-food items. A dog with little to do in his day will "explore" behavioural activities, such as chewing on foreign objects. From Puppyhood- Pica is often a carryover from puppyhood. Puppies which were orally oriented, encouraged to pick up objects and play with them, can retain the attribute into adulthood. 

Accidental- The dog's mouth is an organ by which he explores and takes possession of objects, as well as eats them. Sometimes these two functions are so closely associated with each other that the dog ends up partially ingesting something that it originally intended only to investigate and release.

Behavioural Treatment and Prevention - the easiest treatment for pica behaviour is to provide adequate exercise and active play for the animal. Taking the dog out for a good long walk twice a day will help tire the dog out, provide the dog with companionship and diversion. After a long run the dog will spend more time resting, and this should help use up some energy that was spent looking for items to pick up in its mouth. For dogs with an urge to find, chew and hold items within their mouth it is useful to orient the dog towards an acceptable object such as a strong nylon or rawhide bone. Teasing the dog with a bone or chew toy will help stimulate interest in the object. Encourage the dog to play with acceptable chew items. (Make sure the bone or chew item is large enough so that the dog cannot swallow it.) In cases where it seems that the dog is exhibiting pica behavior in order to gain attention and the dog is performing the behaviour in your presence, it is best to ignore the dog if it already has something in its mouth. Any reaction, including an enjoyable chase, or aggressive response, will be regarded as rewarding by the dog. The optimum time for intervention is to divert the dog's attention before the dog approaches an object it intends to pick up. For example, instruct the dog to perform some previously learned command-response, and then reward him through petting or food. This treatment generally involves increased supervision of the dog.

Other steps to help prevent pica behavior:remove loose objects from areas around the house within the dogs reachbooby trap objects or lace objects with taste deterrents such as Tabasco or one of the many commercially available sprays like Citronella sprayreduce the dog's appetite by feeding lesser amounts more often, and by adding fiber to the diet to promote a feeling of fullness.By not encouraging puppies to pick up and play with objects, and providing the dog with adequate exercise, pica problems can usually be avoided.

References: Allen, Dana G. Small Animal Medicine. Philadelphia: J.B. Lippincott Company, 1991. pp. 71- 83.Campbell, William E. Behavioral Problems in Dogs. Santa Barbara: American Veterinary Publications Inc., 1975. pp. 279-280.O'Farrell, Valerie. Manual of Canine Behavior. 2nd ed. West Sussex: British Small Animal Veterinary Association: 1992. pp. 107-108.

Pastoreio

Não Falte a mais um encontro de Primavera e assista ao concurso de Pastoreio

25 de março de 2009

Update on Miles

Ultrapassámos o segundo round !!! YES!! 
Os pontos/sutura já foram.... Fora! 
O edema  já desapareceu!
A anemia  já vai a caminho de Marte! 
Bem... ainda só vai a caminho!!!!  
Receita para os próximos dias: antibiótico, comer 4 vezes ao dia e dormir muito,muito,muito para não correr riscos... e entrar no terceiro round já quase, quase A Voar!

p.s. O Miles odeia andar de colar fica fulo!!! Esta é a cara melhor q consegui dele!

21 de março de 2009

Obrigado

No tédio de ter de estar deitado e quieto o Miles descobriu que o colar isabelino é uma tremenda arma para encurralar e caçar as moscas. 
Por enquanto a inflamação e a rejeição da sutura interna são as principais preocupações. 
OBRIGADO a todos os Amigos pelo empenho nas melhoras!

19 de março de 2009

Get well soon!!!!


Esta foi a mensagem do Busy para o pai Miles. Obrigado Busy.

O Miles fez uma cirurgia de urgência. Está a fazer um pós cirúrgico tranquilo (esta é a parte mais difícil) e com muito boa recuperação.  Por ele já andava a voar pela casa fora ... não vá perder algum músculo das asas...!
Um susto a valer!

13 de março de 2009

O caderninho de capa preta

Dentro de uma enorme caixa de cartão estava mais um dos meus caderninhos de capa preta e que ao longo do tempo, a pretextos vários, vou acumulando. Sobrou-me da adolescência  esta mania. Da altura em que escrevia o meu "Caro Diário". Um dia, depois de ter descoberto que num diário as chaves são um ornamento inventei um código de escrita e ensinei-o à minha irmã. À vista desarmada era absolutamente ilegivél e parecia díficil. Nós sabiamo-lo de cor. Era fácil e rápido. Bastava inverter a grafia das letras do alfabeto e dos sinais de pontuação. Desde essa altura que nunca mais precisei de  usar chaves. Desde essa altura que descubro caderninhos de capa preta por todo o lado.
Do Caderninho " Sebastião"   $=I 8I V$-Ii~VO
"O Sebastião foi para a escola Ataac em Dezembro de 1996 com um ano e nove meses de idade e entrou para a classe de Iniciados.  A 1ª aula foi com a Carmo e o Rui. Em Fevereiro passou com 81 pontos para a classe B. Em Abril fez o teste da B para a C-Agility mas chumbou pois a meio da prova fugiu do ringue.
Dia 8 de Junho 1997 passou para a última classe de obediência geral - classe C com 86 pontos em 100"
Afinal quem resolveu que eu iria fazer Obedience foi o Ti! 

11 de março de 2009

Última Hora


Chimpanzé, de Zoo na Suécia, ajuda a mostrar que os animais são capazes de fazer planos. 

Resultados da pesquisa foram publicados na Current Biology

No jardim zoológico Furuvik, a norte de Estocolmo, na Suécia, o chimpanzé Santino terá planeado centenas de ataques aos visitantes. O animal recolhia pedras e pedaços de cimento que guardava e que, mais tarde, lançava às pessoas. A agressão premeditada serviu para provar que estes animais são capazes, como os seres humanos, de planear futuros acontecimentos. Um grupo de investigadores na Suécia usou o caso de Santino para o artigo que publicou na “Current Biology". Terão sido os cuidadores de Santino no jardim zoológico que detectaram o comportamento estranho. Antes da abertura, de manhã cedo, o chimpanzé recolhia pedras no seu recinto. Santino estava calmo e conseguia reunir uma quantidade razoável de munições. Os ataques só aconteceriam horas mais tarde e, nessa altura, Santino já estava num estado bem mais agitado. A história serviu para Mathias Osvath, cientista da Univerisdade de Lund, demonstrar que estes animais são capazes de prever acontecimentos, um dado que ainda não tinha sido possível provar. Há outros dados que reforçam a teoria da premeditação como, por exemplo, o facto de Santino não ter este tipo de comportamento na altura do ano em que o zoo está fechado. O chimpanzé terá mesmo desenvolvido uma técnica para fazer "descolar" pedaços de cimento que depois eram usados como arma de arremesso. Este tipo de planeamento de acção pressupõe uma complexa forma de consciência em primatas, nomeadamente a que permite distinguir entre a informação fornecida pela memória e a que é fornecida pelos sentidos. Os investigadores acreditam que estes estados de consciência podem ser encontrados noutros chimpanzés e mesmo noutras espécies animais como os golfinhos.  

In: PÚBLICO 

10 de março de 2009

Um preto!!

Amarelo ou preto? Preto ou amarelo?
Preto! Finalmente  Miguel !!!! Maria e o nome para o preto?

9 de março de 2009

Última Hora

Cães: injeção substitui castração cirúrgica
Um novo produto à base de zinco interrompe a produção de espermatozóides; empresa que lançou produto vai doar medicamentos para ONGs.
Uma injecção que deixa os cães, machos, inférteis e sem a necessidade de cirurgia surge como uma alternativa a castração tradicional. A nova droga foi lançada em São Paulo no início deste mês. 







A veterinária, e directora da empresa que desenvolveu o medicamento, Maria José Simões de Freitas, explicou que o animal recebe, em cada testículo, uma injecção do medicamento. “O produto é feito à base de zinco, que é a substância usada pelas células dos testículos para a produção de espermatozóides. O excesso faz com que o organismo não consiga produzir mais espermatozóides. As células acabam por atrofiar e não há mais a produção”, afirma a veterinária.
Segundo Maria José uma uma única dose é suficiente. A eficácia do medicamento foi constatada em 72% dos animais após 30 dias. Dependendo de cada animal recomenda-se uma nova aplicação, entre 30 a 60 dias, para a total atrofia dos testículos. 
Maria José garante que o processo de atrofia nãorpoduz dor. “O cão não sente porque é um processo muito lento, leva cerca de 60 dias até a atrofia total.” 
O esterilizador químico, que se chama Infertile, foi desenvolvido no Brasil pelo Centro de Planejamento de Natalidade Animal (CPNA). O produto foi testado durante seis anos e a comercialização foi autorizada pelo Ministério da Agricultura em finais de 2008. Por enquanto é aplicado apenas em machos. A empresa afirma que o medicamento não tem contra indicações nem provoca efeitos secundários. 
A responsável de um abrigo com cerca de 700 cães provenientes de abandonos na zona de São Paulo usou esta injecção em seis animais referindo que nenhum apresentou efeitos secundários. “Quando é feita a castração tradicional alguns bichos ficam doridos, têm inchaços, passam alguns dias sem comer e tem que usar um colar para não se coçarem. Com esta injecção ficam normais e já estão com os outros, no canil”, afirmou a responsavél. 
Doação para ONGs
Até o dia 20 de Março o medicamento vai ser doado aos abrigos de animais – ONGs. Em: e-mail: info@infertile.com.br